Política

15/05/2018 11:50

TROCA DE FARPAS - Leitão diz que prisões de primos podem trazer desgaste político; Taques rebate

(rdnews)

O governador Pedro Taques (PSDB) utilizou do exemplo do próprio deputado federal Nilson Leitão (PSDB) para rebatê-lo. Afirma que inquéritos contra o correligionário foram arquivados, o que poderá acontecer com os seus primos Paulo Taques (ex-chefe da Casa Civil) e o advogado Pedro Zamar, investigados na Operação Bônus.

“Nilson Leitão passou por momento difícil e chegou a conclusão, inclusive ganhou ação contra união, que ele não tinha nada a ver. Injustiças ocorrem como é no caso de Nilson Leitão”, afirma o governador em coletiva após apresentação do balanço da 13ª Caravana da Transformação, nesta segunda (14), no Palácio Paiaguás.

O comentário de Taques veio em resposta das declarações de Leitão, que durante entrevista à Rádio Capital FM, disse que as prisões envolvendo os primos do governador podem prejudicá-lo na eleição deste ano. “Tudo que tem que explicar em pré-campanha e campanha logicamente que atrapalha, eleição boa é a que tem que propor e não explicar. É momento de serenidade”, sustenta o parlamentar.

Os primos do governador foram presos durante deflagração da segunda fase da Operação Bereré, denominada Bônus, na última semana. Segundo o Gaeco, ambos são acusados de participaram de uma organização criminosa articulada para recebimento de propina no Detran.

O governador, que ainda não anunciou se disputará a reeleição, afirma que não fez avaliação se o envolvimento de seus primos pode trazer danos à campanha, pois não tem conhecimento do que está no processo e a população precisa saber do resultado para avaliar. “Sou daqueles que antes de chegar a uma conclusão ouço o badalar dos dois lados do sino. Aliás, faço isso desde que sou procurador da República”, pontua.

No início do mês, o ministro do STF Dias Toffoli extinguiu a punição do deputado Leitão em relação aos crimes num inquérito que tramitava há cinco anos. O tucano era investigado por irregularidades praticadas em 2001, quando era prefeito de Sinop. Conforme denúncia do Ministério Público Federal, o parlamentar foi denunciado por irregularidades em procedimentos licitatórios realizados no município, que teriam sido superfaturados.


© 2014 - Todos os direitos reservados  

É proibida a reprodução de matérias sem ser citada a fonte.

Redes Sociais

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo