sábado, 25 maio, 2024
25.3 C
Alta Floresta

Prefeito de Nova Ubiratã pede ajuda de Nininho para evitar perda de área agrícola para Boa Esperança do Norte

Date:

Nova Ubiratã corre risco de perder 37% da receita com emancipação de Boa Esperança do Norte       

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), anunciada no dia 6 de outubro, que autoriza a emancipação de Boa Esperança do Norte, pode inviabilizar a economia de Nova Ubiratã. A avaliação é do prefeito Edegar José Bernardi (Neninho), que esteve reunido nesta terça-feira (14.11) com o deputado Ondanir Bortolini – Nininho (PSD) e a deputada Janaína Riva (MDB) em busca de apoio para evitar que Nova Ubiratã perca a maior parte de sua área agrícola.

No total, Nova Ubiratã cederá 360 mil hectares do atual território, o que corresponderá a 80% do novo município. Outros 20%, serão cedidos por Sorriso. Essa perda de área, segundo o prefeito Neninho, significará a perda de arrecadação de impostos, o que poderá levar a uma redução nos investimentos públicos e em serviços essenciais, como saúde, educação e infraestrutura.

“Boa Esperança do Norte pega de Nova Ubiratã cerca de 262 mil hectares de lavoura, segundo cálculos ponto a ponto realizados por técnicos da prefeitura”, relata Neninho. “De um total de 400 mil hectares da área agrícola atual, ficando para nós apenas 138 mil hectares de lavoura”, acrescenta o gestor municipal.

O deputado Nininho avalia que a única solução é discutir isso através de um recurso jurídico. “Tem que fazer uma ação muito bem feita relatando tudo isso e pedindo uma reconsideração do julgamento feito no STF. Também precisamos conversar com o ministro Gilmar Mendes para mostrar que a decisão não levou em conta a realidade atual de Nova Ubiratã e o impacto social e econômico que essa emancipação vai causar ao município”, pontua.

Nininho acredita que o melhor cenário é rediscutir os limites territoriais. “Por isso, é importante que os ministros do STF revejam os critérios. Tudo que é possível contestar neste momento deve ser feito. Não se pode perder nenhuma etapa. É possível que surja uma oportunidade para amenizar, em parte, o problema. Mesmo um pouco menor, Boa Esperança do Norte continuará sendo um município forte, sem dívidas”, argumenta o parlamentar.

IMPACTO ECONÔMICO

A agricultura é a principal atividade econômica de Nova Ubiratã, responsável por cerca de 80% do PIB do município. A soja ocupa 70% da área plantada e é a principal cultura agrícola de Nova Ubiratã. O milho representa cerca de 20% da área agrícola e o algodão, 10%.

Um levantamento da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Planejamento (SDRP) aponta que a perda de território de Nova Ubiratã poderá levar a uma redução de 20% na arrecadação de impostos do município, além da perda de 500 empregos. Neninho, no entanto, garante que o seu município perderá cerca de 37% de sua receita.

O prefeito explicou que a Prefeitura de Nova Ubiratã já está trabalhando para minimizar os impactos econômicos da criação de Boa Esperança do Norte. “Precisamos encontrar alternativas para compensar a perda de recursos que vamos ter com a criação de Boa Esperança do Norte”, disse.

BOA ESPERANÇA DO NORTE

Boa Esperança do Norte, com cerca de 7 mil habitantes, tem o agronegócio como principal atividade econômica e há mais de vinte anos vinha lutando por sua emancipação. Agora, o 5.569º município brasileiro se prepara para escolher prefeito e vereadores nas eleições, que devem ocorrer em 2024, junto com as eleições gerais.

A luta por emancipação começou em 2000, quando uma lei aprovada pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso avalizou a criação do município. Naquele mesmo ano, porém, o Tribunal de Justiça declarou a lei inconstitucional, após um mandado de segurança ser impetrado pelo município de Nova Ubiratã.

O caso chegou ao Supremo por meio de uma Ação por Descumprimento de Preceito Fundamental movida pelo MDB. Relator do caso, o ministro Luís Roberto Barroso votou contra a emancipação do município e foi seguido por Cármen Lúcia e Edson Fachin.

No entanto, prevaleceu no STF o entendimento apresentado pelo ministro Gilmar Mendes, que defendeu a criação da cidade de Boa Esperança do Norte porque a lei estadual de 2000 preencheu todos os requisitos exigidos pela legislação da época.

Mato Grosso passa a ter 142 municípios.

 

Assessoria de Imprensa/Deputado Nininho (PSD)

Compartilhe:

você vai gostar...
Relacionado

Na véspera do sorteio, Marquinhos Xavier projeta Copa do Mundo

Sorteio dos grupos acontece neste domingo (26), às 13h...

CBFS anuncia cancelamento da 10ª Taça Brasil sub-17 feminina

A Confederação Brasileira de Futsal (CBFS) anunciou o cancelamento...

CARLINDA: Grave Acidente na MT-320 Deixa Caminhonete Destruída

Carlinda, MT - Um grave acidente de trânsito foi...

Tiro de Guerra realiza formatura em comemoração aos 36 anos da unidade em Alta Floresta

O Tiro de Guerra 09-001 realizou, na noite de...
Feito com muito 💜 por go7.com.br