quarta-feira, 21 fevereiro, 2024
21.8 C
Alta Floresta

Mulheres se destacam e conquistam mais medalhas que os homens em Santiago 2023

Date:

Bárbara Domingos, da ginástica rítmica, foi a maior medalhista da delegação

O Brasil brilhou em Santiago 2023 e alcançou os melhores resultados em todas as edições dos Jogos Pan-americanos. Mas quem se destacou mesmo foram as mulheres da delegação brasileira. Das 205 medalhas conquistadas, sendo 66 de ouro, 73 de prata e 66 de bronze, com novo recorde do total de medalhas e de ouros, a maioria veio das mulheres. Dos atletas brasileiros que mais vezes subiram ao pódio aparecem o nome de três mulheres, comprovando que o desempenho do país depende cada vez mais do talento e do esforço feminino.

Dos 66 ouros conquistados, as mulheres foram responsáveis por 33 deles, sendo 29 masculinos e quatro em disputas mistas. No total, 95 para as mulheres, 92 para os homens e 18 para as equipes mistas.

Não por acaso, são três mulheres com mais medalhas da delegação, com cinco pódios no total. Bárbara Domingos (ginástica rítmica) com três de ouro e duas de prata; Stephanie Balduccini (natação), com uma de ouro, três de prata e uma de bronze; e Flávia Saraiva (ginástica artística), com quatro de prata e uma de bronze fecham o pódio da delegação. No masculino, destaque para os nadadores Guilherme Costa, com quatro de ouro e Guilherme Caribé, com três de ouro e uma de prata.

“Eu soube ontem que sou a maior medalhista do Brasil nos Jogos. É muito gratificante saber que em tantos esportes eu fui a que sai com mais medalhas. Fico muito feliz e realizada porque isso é fruto de muito trabalho feito em conjunto com a minha equipe técnica”, disse Bárbara Domingos.  

Para Ney Wilson, Diretor de Esportes do COB e subchefe de missão em Santiago, a evolução feminina é fruto de um trabalho diferenciado para homens e mulheres, com espaço para ser ampliado.

“Sem dúvida nenhuma as mulheres têm feito a diferença em nosso resultado final. Muitas modalidades estão entendendo a importância do trabalho específico e diferenciado entre homens e mulheres. Hoje em dia boa parte das Confederações estão trabalhando nesse sentido e isso está fazendo uma grande diferença. A gente entende que algumas modalidades não estão tão avançadas no trabalho com o feminino, o que acaba possibilitando uma evolução mais rápida”, afirmou Ney Wilson.

Desde 2022, o COB possui uma área específica para o desenvolvimento do esporte feminino, chamada Mulher no Esporte. A iniciativa já resultou em diversos projetos importantes de valorização e fortalecimento das mulheres, como a Comissão da Mulher no Esporte, o Fórum da Mulher no Esporte, o Canal tira-dúvidas de Saúde da Mulher, entre outros, em busca de contribuir para o bem-estar e o desenvolvimento de atletas e colaboradoras. 

“A área da mulher no Esporte, além de trabalhar em políticas para o fortalecimento da mulher em todos os âmbitos, conta com um investimento dedicado a projetos esportivos, que é o Programa de Desenvolvimento do Esporte Feminino (PDEF), destaca Kenji Saito, subchefe de missão, Diretor de Desenvolvimento e Ciências do Esporte do COB.

Compartilhe:

você vai gostar...
Relacionado

Presidente e diretores da FCDL/MT participam de reunião da Frente Parlamentar em Defesa do Comércio de Bens e Serviços do Estado

Assessoria de Imprensa/FCDL/MT Na manhã desta quinta-feira (15.02), o presidente...

Entrega da premiação da Campanha Ano Novo Vida Nova será nesta terça-feira

Assessoria de Imprensa/CDL Alta Floresta A CDL Alta Floresta realizará...

ITIQUIRA – Ex-prefeito e outros seis requeridos são condenados por improbidade

O ex-prefeito de Itiquira (a 357km de Cuiabá) Ernani...

Empresa instala ecoponto em cumprimento a TAC com Ministério Público

Em cumprimento a um Termo de Ajustamento de Conduta...
Feito com muito 💜 por go7.com.br